O Projeto do Atlas Lingüístico do Estado de São Paulo

O Atlas Lingüístico do Estado de São Paulo - ALESP -, segundo Pedro Caruso, seu idealizador, está com a etapa de inquérito finda, encontrando-se o material gravado em fase de transcrição fonética''.

O levantamento lingüístico foi realizado em cem localidades do Estado, com base no questionário publicado em 1983" e que se organiza fundamentalmente em duas grandes áreas semânticas - Terra e Homem. A primeira, com 141 perguntas, subdivide-se em: a) natureza (fenômenos atmosféricos, astros, tempo); b) flora (árvores, frutos); c) plantas medicinais; d) fauna. A segunda, com 161 questões, subdivide-se em: a) partes do corpo, funções, doenças; b) vestuário, calçados; c) agricultura, instrumentos agrícolas; d) brinquedos e jogos infantis.

Há, ainda, seis perguntas sobre lendas e superstições (Boitatá, caipora, lobisomem, saci, mula-sem-cabeça, curupira) e uma seção denominada de Experiência Pessoal, constituída apenas da pergunta 317, que tem por objetivo recolher subsídios para o estudo das variações morfossintáticas.

Recentemente, Brian Head, da Universidade de Campinas (UNICAMP), incorporou-se ao projeto, antes desenvolvido apenas no âmbito da Universidade Estadual Paulista (UNESP), havendo, portanto, agora, duas matrizes das gravações efetuadas - a original, em Assis, e a cópia, em Campinas.

Pedro Caruso, que já incentivara Vanderci A. Aguilera a elaborar o seu projeto, vem orientando a tese sobre a "Linguagem do Pantaneiro", de Albana Xavier Nogueira, que, juntamente com outro professor da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul - Valdomiro Vallezi -, parece decidida a fazer o Atlas Lingüístico de Mato Grosso do Sul. Assim, em alguns anos, será possível comparar dados e comprovar, com rigor científico, as observações de filólogos e lingüistas sobre a ocorrência de determinados traços lingüísticos nos dois Estados como conseqüência das entradas e bandeiras que, partindo de São Paulo, iniciaram o processo de povoamento de Mato Grosso.

Bibliografia: BRANDÃO, Sílvia F. A Geografia Linguística no Brasil.São Paulo, Ática, 1991.